Skip to content

Rev. Everton e Clarissa (Senegal) – 18/10/2011

 

Aparece um pouco de tudo. Agora temos encaminhado os casos alheios da odontologia para o Posto de Saúde da aldeia. No início a Clarissa acabava dando alguma assistência. Mas o técnico de enfermagem senegalês, responsável pelo posto, começou demonstrar uma insatisfação, pois ele ganha com os atendimentos e venda de medicamentos.

 

Por exigência do departamento de saúde de Mbour começamos a cobrar o atendimento odontológico. $1000 FCFA = R$3,80. Inclui o atendimento e medicamentos se for preciso. É um preço que todos podem pagar e evita problemas com o departamento de saúde e o posto da aldeia. Para as crianças o atendimento é gratuito. O dinheiro que recebemos tem servido para comprar medicamentos que não temos disponível na clínica. Ex.: Remédio para paciente com pressão alta; sarna; micose, etc… e leite para as mamães que não conseguem amamentar mais. 

 

Hoje mesmo (18/10) apareceu uma mãe com três menininhas de um aninho, trigêmeas, sem leite e sem dinheiro. Ela veio com uma das crianças amarrada nas costas e acompanhando-a veio a avó e uma sobrinha ambas com as outras duas amarradas nas costas. Andaram 5 km para pedir ajuda. As crianças estão doentes, resfriadas com o peito cheio e não havia leite nem dinheiro. São casos parecidos com este que lidamos todos os dias. Uma gente sofrida, escrava da religião e sem trabalho ou perspectiva de futuro. Medicamos as crianças, compramos leite, fomos até a casa delas (um pequeno quarto de blocos de chão batido sem móveis, com a cozinha do lado de fora feita com quatro paus e um zinco, dois blocos servem de fogão e não havia nada para cozinhar), falamos de Jesus, oramos pelas crianças e pela família. Convidamos todos para vir à Igreja. O pai está numa cidadezinha vizinha tentando trabalho. Quando consegue algo ganha R$7,00 (sete reais por dia).

 

Compartilhando as dificuldades do Projeto:

 

Estamos caminhando bem! Mas nem tudo têm sido mil maravilhas.

Nosso sustento está bom e Deus tem permitido que tenhamos um conforto razoável. Bem aquém do que tínhamos no Brasil, mas muito além da realidade da grande maioria das pessoas aqui. Porém, quanto ao projeto temos várias necessidades:

 

– Recursos humanos: provavelmente em junho de 2012, o Pr. José Dilson e família, o Pr. Marco Mota e família e a Mis. Rosa estão voltando para o Brasil.

 

– A verba da APMT para construções no projeto, devido a vários fatores, é insuficiente para fazer o que foi proposto. Ainda não estamos administrando tais recursos.

 

– Não temos recursos para construção, manutenção, contratação de funcionários para manter o projeto e muito menos para começar o orfanato das meninas;

 

– As construções que foram iniciadas desde 2008 ainda não foram terminadas;

 

– Não conseguimos levantar nem 200 parceiros fiéis dos 1000 que pretendíamos.

 

– O projeto em Dakar que visa preparar meninos para enviar ao nosso projeto em Mbour tem cinco crianças prontas e ainda não temos estrutura para receber nenhuma.

 

 

 

 

Compartilhando dos problemas no SENEGAL:

 

Além dos problemas com fome, doenças, falta de energia, quebra dos direitos humanos, dos direitos das crianças e da mulher, há problemas de ordem política. Desde junho muita coisa tem acontecido no Senegal referente à estabilidade política. O atual presidente se diz candidato ao terceiro mandato e isso tem gerado discussões e manifestações acaloradas. No dia 23 de junho houve uma manifestação grande em todo o Senegal e está prevista outra para o início de novembro. Existe uma região ao sul do Senegal, Casamance, que está em conflito armado a mais de 30 anos e a situação atual tem fortalecido as forças pela independência de Casamance.

 

As eleições presidenciais estão marcadas para o dia 27 de fevereiro de 2012 e até lá muitas manifestações estão previstas. A embaixada brasileira avisou nossa missão da possibilidade de uma manifestação grande e da necessidade da saída dos estrangeiros. Precisamos da sua oração!

 

A liderança da nossa missão aqui no Senegal tem sugerido que as pessoas que desejem visitar nosso trabalho ou vir servir ao Senhor por um período esperem a situação política se resolver. Ou seja, programe sua visita para depois de fevereiro.

 

Não temos vivido nenhuma situação de risco ou de alerta. Mas como dizem: oração e caldo de galinha não fazem mal para ninguém.Orem conosco e por nós.

 

Pedidos de Oração:

 

1 –  Pela nossa família, saúde e ministério;

 

2 – Pelo Projeto Brasil-Mbour: Igreja, Clínica, Curso de alfabetização e administração da propriedade;

 

3 – Por recursos financeiros e novos parceiros;

 

4 – Por recursos humanos: temporários e permanentes;

 

5 – Pelos visitantes da Igreja;

 

6 – Pela fé dos novos convertidos;

 

7 – Pelas crianças na escola e no aprendizado do francês;

 

8 – Pela clínica odontológica: Clarissa e pacientes;

 

9 – Pela situação política do Senegal, livramento e proteção dos missionários;

 

10 – Pelas pessoas que temos falado do amor de Jesus.

 

Obrigado pelo seu precioso tempo investido em nossa vida. Contamos com você!

 

Um grande abraço

NEle que é o nosso Senhor e Salvador

 

Rev. Everton Matheus, Clarissa, Duda, Helo e Samuel

Projeto Brasil-Mbour / Senegal / África

00xx221339573595

 

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on twitter

Últimas postagens

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativos