Skip to content

Rev. Dirceu e Tirza – Don Benito (Espanha)

Em Cristo, nossa saudação!

Temos vivido, nestes últimos meses, um tempo de investimento na infra-estrutura da obra em Don Benito.

Depois de meses de muitas atividades, estamos nos dedicando à consolidação dos alicerces para a continuidade daquilo que foi plantado.

Nosso primeiro desafio tem sido a restauração de cada irmão que tem participado de nossa igreja quanto a suas cicatrizes emocionais que os levam a uma tendencia individualista típica de quem ainda carrega traumas passados. É uma característica de quem teve que deixar sua nação, familiares e tornar-se um imigrante. Também caracteriza aqueles que participaram de igrejas iniciantes que não prosperaram, muito comum na Espanha, ou então igrejas que caminharam sem uma liderança firme, trazendo, assim, muita insegurança e desgastes.

Esse trabalho pessoal é lento, cuidadoso e desgastante, pois nem sempre as pessoas reagem bem quando se toca em suas feridas, assim, vivemos meses de muito cansaço.

Graças a Deus temos visto um sensível amadurecimento de nossa igreja, entretanto sentimos que ainda estamos no início desse processo de restauração, considerando que somente agora, depois de tantos meses, é que realmente alguns irmãos têm revelado sua verdadeira realidade.

Outro desafio tem sido a confiança que pessoas não participantes da igreja têm depositado em nós.

Dentro da Associação de Imigrantes temos visto o progresso de algumas pessoas que antes tinham receio em assumir funções de liderança e que depois de caminharmos juntos durante meses incentivando e orientando, agora têm enfrentado sozinhos os desafios e com segurança. Nesse período de acompanhamento, tivemos a oportunidade de conversar muito sobre nossa fé evangelico-protestante a partir das perguntas que eles mesmos faziam.

Temos percebido uma reação das paróquias católicas quanto a nossa presença na Associação. Através de seu braço social, Caritas, as paróquias sempre controlaram a assistência aos imigrantes, entretando, depois da criação da Associação de Imigrantes, liderada pelos evangélicos em seus primeiros passos, alguns padres perceberam a perda do ¨domínio¨ e têm enviado ¨recados¨ aos imigrantes para ¨participarem mais das missas¨, inclusive enviando um convite à Associação para que um imigrante representasse ¨Jesus¨ na encenação do lava-pés que é tradicional em uma das paróquias. Detalhe, iria lavar os pés de uma estátua de um dos apóstolos. 

A pressão é forte, chegando ao ponto de que muitos consideram a Associação de Imigrantes como subordinada a uma das paróquias. Isso se deve ao fato de que a cidade está dividida por regiões demarcadas pela Igreja Católica, naturalmente tendo suas paróquias como centro. A Associação de Vizinhos está vinculada a eles e todas as suas programações são consideradas eclesiasticas. A prefeitura considera essa associação como a voz oficial da população. Também repassa a Cáritas todos os casos de assistência social, afirmando que essa associação representa o braço social da cidade (bolsa de empregos, alimentos, albergue, auxílio a famílias carentes, etc).

Nessa estrutura tão antiga, a Igreja Presbiteriana e a Associação de Imigrantes aparecem para mudar os costumes e questionar, tacitamente, esse poder eclesiástico. Estamos contentes, pois temos sido bem recebidos pela prefeitura, não somente como imigrantes mas também como missionários e a própria Caritas, através de seus assistentes sociais, têm reconhecido o esforço de nossa igreja. 

Tivemos a oportunidade de participar de um evento onde um dos jornais da cidade registrou nossa presença através de uma foto. Ficamos surpreendidos e um pouco envergonhados ao chegar no mercado onde sempre compramos carne, pois o dono veio ao nosso encontro falando alto sobre nossa foto (todos pararam para escutar) e abriu o jornal fazendo a maior festa.

Todos esses desafios e responsabilidades nos alegram mas também nos desgastam. Não podemos esquecer, jamais, que somos extrangeiros e protestantes, assim, necessitamos de toda cobertura espiritual de nossa retaguarda. 

MOTIVOS DE ORAÇÃO – Agradecimento – 1. Pelo aniversário do Dirceu (12.05) e seus 40 anos; 2. Pela viagem do Mateus e Maíra à Alemanha e Polônia (Intercâmbio escolar pago pela comunidade européia. Foram convidados pelo professor de Esperanto); 3. Pela aprovação final do estatuto da Igreja Presbiteriana da Espanha; 4. Pela visita do Rev. Marcos Agripino; 5. Pela regularização de mais alguns irmãos de nossa igreja (Regularização de imigrantes); 6. Pelos mantenedores que têm lutado por nós e fortalecido nossa retaguarda; 7. Por nossa família. 

Intercessão – 1. Pela resposta do governo quanto à regularização de outros irmãos da igreja; 2. Pela continuidade de nossa preparação na auto-escola; 3. Por nossa igreja; 4. Por nossa família. Estamos todos gripados (Nesta fase do ano, a gripe é praticamente uma epidemia em nossa região); 5. Pela renovação de nossos documentos (renovação anual). 

Que o Senhor continue a abençoar a cada um. 

Em Cristo, nosso Senhor e Salvador.

Rev. Dirceu, Tirza, Mateus e Maíra

 
 

 

Compartilhe esta postagem

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Últimas postagens

Arquivo

Arquivos

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativo