Skip to content

“O Papel do Espírito Santo na Missão” At 13.2


A Ação do Espírito se dá no contexto do serviço obediente da igreja.

A palavra que designa “serviço” se refere à liturgia, ou ao serviço que o sacerdote prestava no templo. Eles serviam a Cristo no culto e com o culto. É muito possível que esse serviço seja uma referência à oração, como a principal característica do culto ao lado do ensino e da pregação (profecia). Esse serviço era direcionado a Deus, que é o Senhor digno de obediência. Logo, a obra missionária está inserida dentro do espectro da obediência da igreja ao Senhor. Quem rejeita esse tema no cronograma do ensino da igreja, corre o risco de estar desobedecendo a Deus! O culto é instrumento do Espírito para a chamada à obra missionária.



O Espírito fala presentemente à sua igreja.

Essa verdade não mudou com o tempo. O Espírito continua falando à sua igreja. Muitos querem monopolizar a sua ação determinando como ele deve falar.Um grupo se fecha em torno da revelação escrita tratando o Espírito como se ele fosse um deus de papel. Outros menosprezam as Escrituras abrindo-se totalmente a novas revelações, conduzindo a igreja por caminhos perigosos e temerários. Porém, sabemos que o Espírito jamais entrará em contradição consigo mesmo e que sempre falará de acordo com o que já falou nas Escrituras, pois é Deus imutável e a revelação já se fechou em Cristo (Cl 2.9; Hb 1.2,3). Se não formos uma igreja comprometida com o equilíbrio entre o Espírito Santo e sua Palavra que santifica (Jo 17.17), jamais faremos missões de forma eficaz, porque o subjetivismo nunca será uma base segura sobre a qual poderemos edificar (I Co 14.36-38). O Espírito não sopra ventos de doutrina, mas a objetividade segura de sua vontade já anunciada nas Escrituras (Ef 4.14). Nós percebemos isso ao ver quem ele separou para a obra. Os dois pastores mais maduros e experimentados que a igreja tinha. No muçulmanismo os lideres enviam jovens imaturos para a morte em carros-bomba por amor a Alá. No cristianismo são os líderes que oferecem a sua própria vida pela igreja, porque Cristo fez assim pessoalmente por nós na cruz!



O Espírito chama e envia.

No original a palavra “chamado” está no perfeito médio, ou seja, o Espírito os chamou para si e no passado. O chamado não é algo que acontece por acaso e para um determinado período, mas ele tem a ver com toda a nossa vida, com a razão de toda a nossa vida. Não haverá alegria enquanto esse chamado não correr por nossas veias junto com o nosso sangue. Esse chamado é uma ação do próprio Deus, que se define por uma separação, uma delimitação de fronteiras na qual cada um é o que faz. Assim a missão se realiza no ser cada um de nós o pastor, o mecânico, o médico, o missionário.

Nossos nomes ficam delimitados pelo que o Espírito nos faz ser. Em todos esses campos devemos ser instrumentos de Deus para a difusão do seu reino e glória. Mas o que é encantador é que o chamado nos conduz na direção do Espírito, pois ele nos chama para si, e ao nos enviar, não se despede de nós, porque ele mesmo vai conosco e nos conduz pelo caminho, e assim estaremos mais perto dele o tempo todo. Deve ficar entendido que o chamado tem implicações tanto para quem vai como para quem fica. Quem fica arca com o sustento. Quem vai, age em nome de quem o sustenta. Não podemos brincar com isso, porque sustentar envolve sacrifício e consagração, e agir em nome de quem sustenta implica em lealdade. Em ambos os casos devemos submissão ao Espírito que chama, capacita, envia e sustenta.



Com amor, Rev. Hélio de O. Silva

Compartilhe esta postagem

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Últimas postagens

Arquivo

Arquivos

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativo