Skip to content

Miss. Luciano Azevedo

Moçambique, abril, 2020

 

Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação.” Habacuque 3:17-18

Estimados irmãos e amigos,

Vivendo em outro país, sempre compartilho com vocês os desafios particulares do contexto onde estou. Entretanto, em meio à ameaça de pandemia do Covid- 19, sentimo-nos moradores de uma “aldeia global”, compartilhando dos mesmos temores, incertezas, etc. Por outro lado, fica mais sensível também o fato de sermos parte de uma Igreja universal, que compartilha da mesma esperança, unida pelo mesmo Espírito e encorajada pela mesma Palavra.

Certamente, o Senhor Jesus sabe o que significa viver em reclusão! Ele experimentou isso bem cedo, quando teve de permanecer no Egito fugindo de Herodes (Mt 2:13-18) ou quando, pela vontade do Espírito, permaneceu no deserto em jejum por quarenta dias e quarenta noites (Mt 4:1-11). Que possamos ser pacientes e buscar encorajamento em Deus, em quem toda nossa esperança está depositada. Tenho orado por vocês no Brasil!

Estou certo de que muitos de vocês também terão algum tempo extra em casa, para ler essa cartinha e separar um tempo em oração pelo trabalho missionário aqui em Moçambique!

Início de ano turbulento!

Definitivamente, 2020 já parece ser um dos anos mais desafiadores desde que estou em Moçambique, e os desafios começaram antes da ameaça do novo Coronavírus!

Retornei a Moçambique no início de fevereiro, depois de um período de férias no Brasil, quando pude descansar um pouco, tratar da saúde e visitar algumas igrejas.

Encontrei muitas mudanças preocupantes no meu retorno, tanto na Escola de Teologia do Khovo como no Seminário de Ricatla. Nas duas escolas haviam novos diretores acadêmicos e um certo caos instalado em termos da distribuição das disciplinas. Apenas dois dias antes de iniciar as aulas fui informado que eu daria duas disciplinas totalmente novas para mim. Gosto de ensinar e de assumir novas matérias pois aprendo muito enquanto preparo minhas aulas! Entretanto, sou bastante sistemático e um pouco lento na organização de meu material, motivo pelo qual essas mudanças geraram muito estresse! Matérias importantes, como Evangelismo e Missiologia, foram deixadas de fora no seminário de Ricatla por falta de professores suficientes para assumirem todas as disciplinas!

Deparei-me também com muitos conflitos a nível da direção da Igreja Presbiteriana de Moçambique, que culminaram na renúncia do presidente do Conselho Sinodal no fim de março. Embora eu não esteja pessoalmente envolvido nesses conflitos da igreja, eles afetam diretamente meu trabalho e criam incertezas até mesmo sobre nossos projetos.

Gostaria de pedir que os irmãos estivessem orando em favor dessas três instituições com as quais estou diretamente envolvido: Igreja Presbiteriana de Moçambique, Escola de Teologia do Khovo e Seminário Unido de Ricatla. No momento, coincidentemente ou não, as três passam por conflitos de ordem estrutural e/ou de conflitos de relacionamento na direção. Sei que conflitos na liderança ocorrem em qualquer instituição, mas há um momento em que eles se tornam excessivos e começam a comprometer seriamente o trabalho. Infelizmente, boa parte desses conflitos parecem ser fruto da falta de maturidade espiritual na liderança, o que torna a situação ainda mais triste.

Há tanta coisa ocorrendo no país e no mundo! Esse seria um momento para nossa igreja estar unida e concentrada em dar seu testemunho em meio à crise! Peço que orem por unidade no seio da IPM e das escolas com as quais estou envolvido.

Curso de Professores Evangelistas de Crianças

Como havíamos previsto, demos início ao curso de Instrutores, que são os obreiros responsáveis pela educação cristã e evangelização de crianças na Igreja Presbiteriana de Moçambique. Iniciamos o curso com um grupo de 16 alunos, sendo que 9 deles são provenientes das zonas centro e norte do país. Estou muito entusiasmado com esse grupo de alunos. Até o momento, eles têm se mostrado muito focados no treinamento, que é bastante intensivo e terá duração de 18 meses. Infelizmente, com a eclosão do Covid-19 em Moçambique, possivelmente teremos de paralisar o curso até que a situação se estabilize. Mas estamos gratos a Deus pelo privilégio de formar esses obreiros.

Peço que estejam orando por cada um deles: Samuel, Jone, Gonçalves, Letícia, Tânia, Domingas, Costa, Alberto, Batista, Jossefa, Mouzinho, Morgasse, Nelson, Bento, Tocozane e Maquissueiro. Orem para que essa paralização temporária do curso não afete o entusiasmo do grupo.

Outros Motivos de Oração

Família Machado: Nossos queridos irmãos, missionário Henrique, sua esposa Gisele e os filhos Otto e Dante, têm nos apoiado muito no trabalho aqui em Moçambique, desde meados de 2019, quando chegaram ao país. No início de março, entretanto, um dos meninos caiu seriamente doente, com uma malária muito grave que ameaçou sua preciosa vida. A província de Tete, onde estavam trabalhando, tem sofrido um surto de malária. Pensando na saúde das crianças, ainda muito novas, a família será transferida para Maputo, onde terão melhor

acesso a atendimento médico. A mudança nesse momento parece ter sido providência de Deus, pois com a situação do novo Coronavírus, o presidente do país decretou estado de emergência, gerando uma série de restrições a nível de todo o país. Seria muito difícil para a família gerir essa situação estando ainda na distante província de Tete! A boa notícia da mudança deles para Maputo é que terei o apoio mais próximo desses queridos irmãos. Eles estarão nos ajudando com algumas aulas no curso de formação de instrutores, dentre outros projetos ainda a serem definidos junto à IPM. Oremos por esses irmãos!

Aulas na ETK e Ricatla: Em tempo de “quarentena”, temos de nos adaptar à situação também em nossas escolas bíblicas. Nossas aulas presenciais tiveram de ser paralisadas e temos tentado manter uma conexão virtual com nossos alunos, tarefa não muito fácil num contexto em que nem todos têm fácil acesso à internet. Temos pedido sabedoria e paciência a Deus para gerir a situação.

Esperamos e oramos que a formação de nossos alunos não seja comprometida esse ano.

Essa pandemia ainda não chegou, até onde os dados oficiais nos informam, com tanta força em Moçambique. Oramos que isso não aconteça! Conhecendo as reais condições do país na área da saúde, temos grande receio de que um quadro de contagio descontrolado da população com esse vírus seria potencialmente catastrófico! Estamos apreensivos, mas confiantes na misericórdia de Deus.

Ataques no Norte do País: A província de Cabo Delgado, na Região Norte de Moçambique, tem sido alvo de ataques de grupos armados de inspiração islâmica (provavelmente o Estado Islâmico está por trás desses grupos). Esses ataques tiveram início a cerca de dois anos e, desde então, já fizeram ao menos 350 mortos, além de 156.400 pessoas afectadas com perda de bens ou obrigadas a abandonar casa e terras em busca de locais seguros. Estamos vendo com muita preocupação esses ataques! Paralelamente, temos visto o Estado Moçambicano cada vez mais fechado para a entrada de missionários cristãos no país!

Pedimos que estejam orando que essas forças que atuam nesse país não prevaleçam contra a Igreja do Senhor Jesus!

Motivos pessoais:

  • Saúde física e emocional em meio às crises que estamos enfrentando. Quando estive no Brasil, fui diagnosticado com um princípio de depressão. Desde que retornei a Moçambique estou me sentindo surpreendentemente bem (apesar de todo o estresse!), mas peço que estejam orando por mim nesse sentido.
  • Sabedoria para aconselhar, encorajar e fortalecer aos irmãos e pessoas em geral nesse país durante essas tempestades e incertezas quanto ao futuro,
  • Discernimento para bem utilizar meu tempo e energia em tempo de “distanciamento social” e limitações nas atividades presenciais na igreja e no seminário.
  • Sustento financeiro: Desde o início dessa crise com o Covid-19, sofremos uma grande desvalorização do Real frente ao Dólar. Isso nos afeta diretamente por vivermos fora do Brasil. Associado a uma queda no envio das ofertas por algumas igrejas, sofri uma redução acentuada em meu sustento mensal. Peço que orem que o Senhor nos ajude a sermos bons mordomos também em tempo de crise e privações! 
Obrigado pelo apoio de vocês!

Luciano de Azevedo

 

 

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on twitter

Últimas postagens

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativos