fbpx Skip to content

Mis. Rosa Maria da Silva (Indígenas) 09/06/17

"O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim e todo aquele que é nascido do Espirito". Jo. 3.8

 

Ele não titubeia e faz o vento soprar por onde quer.

Seguimos felizes no campo indígena da Aldeia guarani/kaiuá, em Amambai, MS.

Quanto mais nos empenhamos em encontrar pessoas aqui na reserva, mais historias e experiências temos para contar sobre o agir de Deus.

São muitas descobertas de vidas isoladas que estão vivendo em seus casulos, apáticas a existência de Deus e ignorando que são pessoas tão importantes aos olhos do Pai.

Semana passada ao caminhar pelos becos da mata, eu me vi frente a um barraco. A porta estava fechada com uma corrente cujos elos apenas estavam fixados a um prego.

Após varias chamadas ouvimos um índio responder lá de dentro com uma voz quase inaudível.

Minha companheira de visitações, uma irmã também indígena, sentiu medo. Eu disse a ela, vamos entrar.

Adentramos, o senhor estava deitado e possuía uma fisionomia bastante estranha como que se estivesse entorpecido.

Ali oramos, cantamos louvando a Deus colocando aquela vida no altar do Senhor. Passaram-se três dias e aquele senhor de apenas 37 anos veio a falecer.

Tive então a sensação de meu dever cumprido  ao ouvir o Espirito Santo de Deus me impulsionando a entrar naquele “bangalô” para falar do grande amor de Deus por ele.

Na verdade não faz parte de nossa cultura e educação adentrar uma casa com uma corrente na fechadura!

Não questiono agora onde estará esta alma, mas certa estou de que minha ação e atitude tomadas naquele instante, foram certamente direcionadas pelo Espirito de Deus.

Em se cogitando deste nosso campo missionário, Amambai, há muito trabalho no preparo do solo, na drenagem, no plantio de sementes, na colheita em meio aos mais de 12 mil  habitantes indígenas desta área.

A urbanização e o contato com a sociedade envolvente é uma ameaça sempre real a ser monitorada.

Há lutas constantes com fazendeiros e com o governo estadual, pela demarcação de suas terras, pela posse de seu território tradicional.

Para o povo Kaiuá/Guarani  a perda do território não significa apenas o deslocamento geográfico e a perda da terra, pois a vida dentro da Reserva impôs grande transformação principalmente na sua relação com o território tradicional. Os indígenas foram obrigados a disputar os lotes cada vez mais reduzidos dentro das próprias Reservas.

E qual é a importância do missionário frente a esta problemática de diferenças interculturais? Aqui é lugar de aparente calmaria por estarmos em local distante dos centros urbanos, mas cientes estamos de ser um local de rota de trafico de drogas oriundas do Paraguai.

Atrás deste cenário, muitas vidas estão sendo ceifadas.

Nestes últimos 10 dias de junho 2.017, tivemos 5 falecimentos cuja causa mortis sobretudo foram com vitimas cujas cabeças foram decepadas com “machete/facão”, sem contar com outros tantos suicídios por enforcamento em arvores.

Só me resta indagar a mim mesma por que não teve alguém que chegasse  antes  de suas mortes para anunciar-lhes as Boas Novas de Cristo!

Já em outra visita na aldeia de Limão Verde, descobri uma senhorinha morando com seus filhos  embaixo de um plástico hasteado por galhos de arvores .

Ela não tinha nenhum conforto, nem bancos, nem mesa, nem panelas, nem cama.

A Missio Dei de Cristo é completa e com um mutirão de irmãozinhos e sob o comando de nosso líder aqui da aldeia, o missionário Sergio, já estamos construindo uma casinha para ela.

Assim foi também Jesus que em suas andanças enxergava as necessidades das pessoas em sua integra.

Já conseguimos instalar também agua para ela através de uma mangueira de 100 mts, subterrânea, isto porque a Funai não autoriza a escavar o solo para se fazer poço.

Muitos problemas presentes nas aldeias são reflexos de seu “modo de ser” (teko porá), visto que o mestre diz: “O meu povo erra porque lhe falta conhecimento”.

Na historia desta gente podemos ver alto índice de alcoolismo e  suicídio,  prostituição, desnutrição, drogas, somados a situação de confinamento.

Somos portadores da mensagem de que somente em Jesus Cristo podemos encontrar a solução.

Onde estão os trabalhadores para a seara do Pai!

Apressa-te missionário ao “Eis me aqui, Senhor!”

“Quem fica apenas olhando o vento jamais plantara e quem para observando a passagem das nuvens nada colhera”. Eclesiastes 11: 4-5

 

Mis. Rosa Maria da Silva

 

Compartilhe esta postagem

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Últimas postagens

Arquivo

Arquivos

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativo