Skip to content

Maternidade, um chamado Divino para compartilhar a Fé

“Ser mãe é… padecer no paraíso”. Todas nós brasileiras, ou a maior parte de nós mulheres, já ouvimos essa frase.

Reconhecer que ser mãe é uma dádiva de Deus para nós é “o paraíso”. Entretanto, exercer a maternidade sempre foi e sempre será um grande desafio em todas as épocas e em todos os tempos, isso é “o padecer”.

Lutamos por preservar nossos filhos do lixo que a mídia impõe todos os dias, pelos meios de comunicação, seja pela TV ou Internet. Lutamos até mesmo contra o Sistema Educacional do nosso país que, em muitos aspectos, está em desacordo com a Palavra de Deus, longe dos valores morais e éticos cristãos.

Nos dias de Joquebede, em Êxodo 2, os desafios eram outros. No capítulo 1 v.7 lemos: “depois da morte de José, os filhos de Israel foram fecundos de maneira que a terra se encheu deles. Dos versículos 8 a 14, os hebreus são oprimidos, mas continuam se multiplicando em cumprimento à promessa feita a Abraão de que a sua descendência seria como as estrelas dos céus e a areia da praia. Os egípcios temiam que os hebreus se unissem a seus inimigos e os expulsassem da terra.

Nos versículos 15 a 22, Faraó dá uma ordem para que todos os filhos do sexo masculino dos hebreus fossem mortos ao nascer.

É nesse contexto que Joquebede dá a luz ao seu terceiro filho, Moisés. O desafio de preservar a vida do menino é primordial. Mas, ao mesmo tempo, alimentar espiritualmente a vida de seus filhos, Arão e Miriã, com uma vida de dependência em Deus e compartilhando sua fé era fundamental.

Algumas lições que podemos aprender como mães de filhos biológicos, adotivos e espirituais:

Exercer a maternidade, de forma consciente e madura, sempre foi e será um grande desafio.

Joquebede estava consciente dos perigos que o recém-nascido corria, como também toda a nação israelita (v. 2,3). Fortalecida pela fé viva no menor indício do favor divino, ela esconde o menino por três meses (Hb 11.23). Imagino como foi esse tempo para Joquebede e para toda sua família. Imagino o clamor diante de Deus em favor de seu filho, o exercício da sua fé em Deus acima do temor humano. O preparo do cesto, onde seria colocado o pequenino, deve ter sido acompanhado de momentos muitos difíceis e de uma entrega total a Deus. Entretanto, creio que Joquebede nem imaginava que a sua postura diante da situação e circunstâncias estava forjando no caráter de Arão e Miriã uma entrega total a Deus também. 

Dependa de Deus quando tudo parecer perdido.

Diz a palavra de Deus que ao cabo dos três meses, não podendo mais esconder o bebê, o colocaram numa cesta de juncos à beira do rio, e sua irmã Miriã continuou acompanhando tudo de perto.

Se uma mãe fez tudo isso por amor, que podemos pensar daquele cujo amor é infinito? Em todo tempo Moisés foi protegido. Não houve águas, não houve egípcio que pudesse machucá-lo. Deus o blindou com seus cuidados, trazendo a filha de Faraó e inclinando o coração dela à compaixão. Faraó tratou de atingir cruelmente o povo de Israel, mas sua própria filha compadeceu-se do menino e não só isso, sem sabê-lo, preservou o Libertador de Israel.

O impossível para mim é possível para Deus.

Além do livramento da morte de Moisés, ela se torna ama de leite do seu próprio filho, e tem a oportunidade de educá-lo no caminho do seu Deus. Mais tarde Moisés torna-se o Libertador do povo de Israel, seu irmão Arão se torna seu porta-voz e sacerdote, e sua irmã Miriã vem a ser profetisa (Ex 15: 20-21). “Pois te fiz sair da terra do Egito e da casa da servidão te remi; e enviei adiante de ti Moisés, Arão e Miriã” (Mq 6:4). Joquebede teve o prazer de ver todos os seus filhos servindo a Deus como líderes importantes e destemidos.

Aproveitemos cada oportunidade na maternidade para semearmos e compartilharmos a fé no Único Deus, como ensina as Escrituras “… tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, a ao deitar-te, e ao levantar-te” (Dt 6.7).

Hoje me sinto como uma espécie de Joquebede Espiritual, inserida num contexto muito diferente do Brasil, em seus costumes e cultura. O Pai tem nos dado a oportunidade de servi-lo como missionários da APMT, eu e o meu esposo Rev. Geraldo Batista Neto, em Puerto Suarez, Bolívia, desde 2012. Deus tem usado as nossas vidas através da exposição da Palavra em diferentes ambientes e meios: igreja, programa de rádio, escola de futebol, Instituto de Informática Básica, e o Projeto 2S – “Sopa e Salvación”, que recebe, todas as quintas-feiras, entre 70 a 90 pessoas nas dependências da igreja, para escutar a Palavra de Deus. Tem sido um tempo gracioso! Deus nos trouxe para cá para cuidar dos seus, alcançar os que estavam longe e fortalecer os que já estão caminhando em direção ao Pai, na graça do Nosso Senhor Jesus Cristo.

A nossa oração é para que o Senhor das Missões a cada dia capacite as mães a missionar na vida de seus filhos, consagrando-os ao Serviço do Reino. E que no tempo do Senhor, os frutos possam vir para a Glória d’Ele.

Glaucia Batista

Compartilhe esta postagem

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Últimas postagens

Arquivo

Arquivos

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativo