Skip to content

Mark Zook – O Pioneiro da Igreja Mouk na Papua Nova Guiné

Em 1984, o fazendeiro da Pensilvânia, Mark Zook, de origem suíça, com sua esposa Glória Zook, desceu para uma remota ilha da Papua Nova Guiné, Oceania, a um povo não alcançado, da etnia Mouk, e ali passou quatorze anos como missionário e plantador de igreja entre as várias aldeias daquela tribo.

O resultado foi espantoso! A tribo inteira rendeu-se a Cristo e ao evangelho. Quando Mark e Glória ali chegaram, encontraram um povo animista, dominado pelo engano e sutilezas, com uma língua ágrafa e com vários costumes diferentes – um grande desafio para o casal. Praticava-se, inclusive, a pena de morte para mulheres que descobrissem o segredo das sutilezas e trapaças dos homens. As mulheres eram escravas de seus maridos. O temor era o clima dominante naquela etnia. A morte para eles era muito triste, e o fim de todas as suas esperanças.

Os Zook, porém, criam que Deus podia transformar qualquer povo com o poder de sua Palavra, movida pelo seu Santo Espírito. Para poderem interagir com os Mouk, procuraram aprender sua língua, apenas falada e não escrita, os costumes daquela gente, o que pensavam, sua forma de preparar refeições, suas formas cultuais e culturais, etc.

No primeiro contato de evangelismo dos Mouk, Mark Zook não deu uma lição bíblica propriamente dita, mas apresentou-lhes um mapa para a localização da tribo. Ao apresentar esse mapa, apontou a nação de Israel, de onde Deus enviou para o mundo o Salvador.

Na segunda lição, passou a explicar-lhes a Bíblia cronologicamente. Falou-lhes sobre Deus, quem ele era, seus atributos, a criação do mundo, do homem, falou da queda e do engano do pecado, e sobre o juízo de Deus sobre os pecadores. Ele mostrou que todo pecado é engano. Isso tocou muito o coração dos Mouk, uma vez que sua cultura era marcada pelo engano. A seguir, mostrou numa ordem progressiva o plano da salvação de Deus. Falou sobre a história de Abraão e o sacrifício do cordeiro no lugar de Isaque. Partindo desse ponto, falou a respeito do sacrifício de Jesus pelos nossos pecados, exemplificado com o sacrifício do cordeiro em substituição de Isaque. Falou sobre o perdão dos pecados. Fez encenações de passagens bíblicas como o cordeiro sendo morto, alguém carregando a cruz, sendo crucificado etc. Ficou bem clara a mensagem para as pessoas.

A partir daí, houve uma grande visitação do Espírito de Deus sobre os Mouk. Eles mudaram seu comportamento em relação ao engano, mudaram de caráter, procuraram ficar perto de suas esposas e amá-las, passaram a fazer missões em outras tribos e tudo mudou.

O que percebemos aqui é o poder que a palavra pregada exerce sobre a vida das pessoas. A partir da conversão dos Mouk, Mark e Glória Zook trabalharam em treinamento de liderança e na parte educacional da tribo. Criaram programa de alfabetização para que pudessem ler as Escrituras posteriormente. Eram doze aldeias da mesma etnia. Eles treinaram uma aldeia no ensino bíblico e na alfabetização para que essa treinasse a segunda; a segunda treinasse a terceira, a terceira a quarta até que todas recebessem o treinamento. Essa metodologia foi muito sábia. Missionário tem que treinar logo a liderança para que essa assuma o trabalho autóctone.

Algumas aplicações para nós missionários e igrejas hoje: talvez haja muitos missionários que não estão conseguindo transmitir a palavra compreensivelmente para que as pessoas entendam e creiam. Uma das marcas de Mark Zook foi conteúdo bíblico apresentado com profundidade e com a certeza de que aquela gente entenderia o que estava sendo pregado. Será que além da clareza não está faltando um pouco de ousadia para muitos missionários em relação à pregação?

Talvez a timidez tenha sido uma forte arma contra a ação missionária em relação à comunicação da Palavra de Deus. Ousadia e clareza – dois pontos fortes, humanamente falando, para a conversão em massa da etnia Mouk e de qualquer outra etnia que Deus quiser salvar. Os Mouk, agora, já têm a Bíblia traduzida em sua própria língua. Vale a pena aprender com Mark Zook.

Rev. José João de Paula

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on twitter

Últimas postagens

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativos