Skip to content

Humildade e sabedoria na convivência cristã missionária

Desde o início do capítulo Tiago vem tratando da importância de uma linguagem consagrada ao Senhor, da necessidade de aprendermos a dominar a nossa própria língua e de ver nas coisas que dizemos (tanto em sua forma como em seu conteúdo) uma expressão da vida de Deus em nós. Agora, sem que haja nenhuma mudança radical de tema, o autor menciona uma das implicações mais importantes do uso da língua, e o faz respondendo à seguinte pergunta: “quem é sábio e tem entendimento entre vocês?” 

Pode parecer claro a muitos de nós que o sábio e o entendido é aquele que tem acumulada uma enorme quantidade de informações que podem ser manuseadas de forma a torná-la útil o máximo possível. Entretanto, a resposta dada por Tiago segue por outro caminho muito diferente: o sábio é aquele que demonstra a sua sabedoria através de uma boa conduta e por meio de obras concretas fundamentadas na humildade que recebe da própria sabedoria que tem.

Nesse sentido, a verdadeira sabedoria é transformadora, ela muda a forma como entendemos a vida, nos leva a reconhecer que Deus está por cima de todos e de todas as situações, nos leva a viver dia a dia de forma coerente com essa grandeza (a isso Tiago chama de humildade). A verdadeira sabedoria, portanto, necessariamente se traduz em obras, atitudes e decisões. 

De forma mais específica nestes versos, Tiago nos ajuda a ver que a sabedoria de Deus transforma os nossos relacionamentos humanos, gerando parâmetros que se destinam a criar uma nova plataforma a partir da qual possamos conviver como povo de Deus. Antes, portanto, de apresentarmos os elementos da sabedoria que geram essa convivência fraterna e comprometida (3.17-18), vemos como Tiago nos aponta os problemas que a falsa sabedoria (na que somente buscamos nossa própria felicidade e interesses pessoais) sempre nos traz. De acordo com ele, abrigar no coração “inveja amarga e ambição egoísta” produz “confusão e toda espécie de males” tanto em nossa vida pessoal como em nosso meio marcando a convivência com o pecado humano. Tais coisas podem ser, claramente, classificadas como contrárias à sabedoria de Deus, pois se tratam de uma sabedoria meramente humana e, segundo Tiago, até mesmo demoníaca.

A verdadeira sabedoria de Deus começa quando compreendemos tais coisas e confessamos a Deus, sinceramente, as nossas intenções e ações, buscando diariamente a humildade e uma boa conduta em relação às demais pessoas. A mutualidade entre os irmãos na vivência dos princípios da sabedoria é um dos fundamentos que sustentam a igreja em todos os embates que sofre. Nesse sentido, viver a convivência cristã ou mutualidade entre os irmãos vivida com humildade e sabedoria se transforma em uma poderosa, persistente e permanente força evangelizadora e missionária, pois dessa forma a graça redentora de Cristo pode ser visualizada em nossas vidas diárias como pessoas e igrejas. Humildade e sabedoria na convivência cristã diária é, sem dúvida, um dos elementos que fundamentam a ação missionária da igreja no mundo.

 
Rev. Carlos del Pino

Compartilhe esta postagem

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Últimas postagens

Arquivo

Arquivos

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativo