Skip to content

Funai exclui igrejas evangélicas de reservas indí­genas


Assim, quando eles gritam e esperneiam que o Estado é laico, sua declaração diz: “O Estado é nosso, só nosso. Fiquem de fora os cristãos e seus valores. Engulam goela abaixo tudo o que vamos impor!”



A característica importante deles é que eles são grandes defensores da morte. Eles defendem políticas e leis de aborto para matar crianças inocentes e de eutanásia para matar doentes, deficientes e idosos. O único tipo de morte que eles acham inaceitável é a pena capital para assassinos comprovados.



Os cristãos genuínos têm outra direção: eles são grandes defensores da vida. É por isso que a luta e o sucesso pela emancipação dos escravos (de todas as raças) não pertencem aos ateus, aos socialistas nem aos agnósticos. Foram os cristãos que iniciaram e venceram essa luta.



É pelo fato de que em Cristo há libertação que os cristãos levam o Evangelho a todos: brancos, pobres, negros, ricos, índios, etc. Todos, indistintamente, merecem conhecer a mensagem de amor, esperança, salvação e libertação de Jesus Cristo.



É por isso que missionários cristãos, com muito amor, procuram conduzir os índios ao conhecimento e experiência da Pessoa de Jesus Cristo. Os índios que acolhem no coração o Espírito Santo se tornam novas criaturas, rejeitando um passado de escravidão moral e espiritual.



Um dos grandes resultados e benefícios da evangelização é o questionamento e rejeição, entre índios cristãos, aos costumes tribais de sacrificar e matar crianças índias. Esse resultado é apenas uma extensão natural do poder que o Evangelho tem de defender a vida.



Em todas as sociedades onde entra, o Evangelho genuíno opera liberdade e defesa da vida. É por isso que os maiores defensores das crianças hoje contra a ameaça de aprovação de insanas leis de aborto não são os agnósticos, nem os ateus, nem os nazistas, nem os socialistas. São os cristãos.



O Evangelho puro é pura cultura da vida. Não sendo racistas nem preconceituosos, os cristãos genuínos não querem negar aos índios — ou aos negros e a qualquer outra raça — a oportunidade de receberem a cultura da vida que o Evangelho oferece.



Só um preconceito cego e irracional imporia impedimentos para que os índios conheçam o Evangelho. Esse preconceito é hoje observado nas atitudes da Funai, o órgão do governo federal responsável por decidir o que os índios podem ou não ter.



No Brasil, embora a Constituição estabeleça direitos iguais a todos, parece que os índios não têm a liberdade de decidir se querem ou não o Evangelho em seu meio. Conforme informação do blog Holofote, em janeiro de 2008 a Funai (Fundação Nacional do Índio) decidiu excluir as igrejas evangélicas das reservas indígenas.



Em reação à evidente hostilidade estatal contra a presença evangélica entre os índios, o Senador Magno Malta, mesmo sendo um aliado de Lula, fez pronunciamento criticando a dura decisão do órgão do governo Lula privando os índios do Evangelho. De acordo com notícia da Agência Senado, no dia 7 de maio de 2008 Malta disse:



“As igrejas evangélicas trabalham, sobretudo, com a recuperação de índios vítimas da sua própria socialização, principalmente alcoólatras e depressivos que, sem a orientação dos pastores, acabam optando pelo suicídio”.



Os seguidores de Cristo não praticam preconceito nem discriminação. É por isso que eles não excluem os índios da oportunidade de conhecer o Evangelho, pois os índios também são seres humanos.



Contudo, ao excluir a presença evangélica entre os índios, o Estado pratica a pior forma de preconceito. Aliás, é sempre o Estado que consegue praticar a pior forma de preconceito e ódio, como bem comprovam os exemplos da Alemanha nazista e da União Soviética, que em nome de um Estado laico excluíam, perseguiam, difamavam, atacavam e trucidavam os cristãos e seus valores.



O Estado laico brasileiro, atribuindo a si prerrogativas essencialmente divinas, está decidindo o que os índios podem ou não ter, inclusive Jesus.



O Estado assim se enxerga acima de Deus, removendo dos índios a liberdade e a necessidade de Jesus, mas não lhes permitindo a liberdade e a necessidade de se verem livres de um Estado totalitário que lhes nega o maior de todos os direitos: conhecerem seu Criador.



Fonte: www.juliosevero.com



Leitura recomendada:



Índios estatizados: o papel do Estado no sufocamento do Evangelho entre as tribos

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on twitter

Últimas postagens

Você pode contribuir para o Evangelho a qualquer momento com sua oferta.
Informativos