A esperança que não morre


Por O.F.

Yoon Suk guarda boas lembranças de sua infância na Coreia do Norte. Ela viveu na época em que o socialismo funcionava relativamente bem na Coreia, e o governo podia prover as necessidades básicas aos seus cidadãos. Ela se lembra de seu bonito uniforme escolar com sapatos de couro vermelho. Ela também tinha uma paixão por teatro e se sentia realizada no palco. Contudo, à medida que crescia, o brilho em seus sapatos começou a desvanecer-se e a fome em sua barriga começou a crescer.

Após o colapso da União Soviética, a Coreia do Norte perdeu fontes cruciais de comércio subsidiado e a economia norte-coreana caiu. O país entrou em uma grande crise e Yoon Suk lutava para sobreviver com as parcas rações que recebia do governo. Durante este período, cerca de um milhão de pessoas morreram de fome na Coreia, enquanto muitos dos que sobreviveram sofreram imensamente.

No desespero pela sobrevivência Yoon Suk se envolveu no comércio ilegal por um tempo e logo percebeu que a vida poderia ser melhor na China. No entanto, é extremamente arriscado para os norte-coreanos escaparem de seu país. O regime norte-coreano considera ilegal a saída do país sem permissão explícita e se Yoon Suk fosse pega tentando fugir, ou mesmo pega na China e enviada de volta, ela seria punida severamente. No entanto, a oportunidade era grande demais para deixar passar e ela fugiu pela primeira vez em meados do ano de 2000. Yoon Suk foi presa pela polícia chinesa nem mesmo um mês depois de chegar e foi repatriada à força de volta para a Coreia do Norte. No seu país, as autoridades a mandaram para um campo de concentração, onde ela foi abusada, espancada e passou fome.

Apesar de tudo o que ela tinha passado, Yoon Suk ainda não se intimidou de encontrar a liberdade fora da Coréia do Norte. Ela escapou novamente para a China logo após a sua libertação da prisão. Ela foi vendida três vezes por traficantes, sob o pretexto de que receberia um trabalho. Depois de tanto sofrimento, ela ainda consegue ver esperanças e oportunidades à sua frente. Yoon está a caminho da Coreia do Sul, onde pretende trabalhar e estudar.

Yoon é apenas um exemplo de como os norte-coreanos sofrem. Esse povo vive sem Deus, sem liberdade e sem as necessidades básicas para sobrevivência. Esse povo precisa de nossas intercessões. Vamos dobrar nossos joelhos agora mesmo em favor de Yoon e de todos os norte-coreanos.

Comentários